Conheça os tipos de fossa utilizados no Brasil

Tipos de fossa

Fossa é uma estação de tratamento primária. Ela apenas separa os materiais orgânicos do esgoto e da água. É a solução para áreas rurais sem tratamento de água. Também encontramos fossas em áreas urbanas carentes de saneamento básico. A mais antiga é a fossa negra, buraco sem nenhuma cobertura ou proteção. Esta contamina o solo, lençol freático, provoca doenças como hepatite e esquistossomose. A fossa negra é proibida em várias cidades e estados. É considerada uma solução provisória até a finalização da fossa séptica. Conheça os outros tipos de fossa:

Fossa sanitária ou seca

A fossa sanitária é uma abertura no solo que pode ou não ter revestimento. Ela é um pouco mais elaborada que a fossa negra, pois, tem uma laje de tampa com piso e uma “casinha” para proteger quem usá-la. Os dejetos do banheiro vão direto para essa fossa. Sua instalação deve ser feita em áreas planas, secas, longe de poços.

Caso tenha formato de poço, seu diâmetro interno mínimo é de 0,90 centímetros. Caso for de seção quadrada deve ter laterais com 0,80 metros. Fossas com esta seção devem ser afastadas do muro em 1,30 metro e  seu revestimento é com manilhas de concreto armado.

Pode ser pré-moldadas, com alvenaria de tijolos maciços chapiscados e rebocada com argamassa traço T4 (1:5 de cimento e areia). A altura do fundo da fossa é de 1,5 metro acima do lençol freático. O aterro de proteção é feito com a terra da escavação. Ele protege a base da fossa, desvia a água pluvial e impede a entrada de roedores.

A limpeza é feita com sais alcalinizantes, como sais de potássio, cálcio, potássio ou amônio. Os materiais exterminam odores desagradáveis. Quando surgir água, cenário perfeito para insetos, coloque derivados de petróleo como querosene ou óleo queimado.

Fossa séptica

Modelo de fossa mais segura, porque, possui tampa e não contamina o solo nem a água. A fossa séptica é utilizada há mais de 100 anos e consiste em um tanque enterrado que separa a parte sólida da parte líquida do esgoto. A purificação da parte líquida é feita em três etapas. Na primeira, o esgoto vai para um tanque baixo e a parte sólida fica no fundo, onde são dissolvidas por bactérias. Na segunda, o tanque filtra e remove boa parte das impurezas. A última fase é feita pelo sumidouro, tanque cilíndrico ou em forma de caixa que remove o restante das impurezas.

Construção

A fossa séptica deve ser feita na lateral do banheiro e estar a 30 metros de distância rios, lagos e nascentes. O tamanho leva em consideração o número de pessoas no imóvel, porém, não pode ser inferior a 1000 litros. O buraco onde receberá a fossa séptica deve ser compactado, nivelado e coberto com uma camada de cinco centímetros de concreto magro. A construção segue com a produção de uma laje de concreto armado com 7 centímetros de espessura.

A caixa de inspeção também faz parte da fossa séptica. A caixa é enterrada e permite o acesso para limpeza e inspeção da fossa. Sua construção deve ser a 2 metros do imóvel e a cavidade deve ter 1mx1m e profundidade dentre 0,5 a 1 metro.  O fundo precisa ser compactado e ter uma cobertura de concreto magro. As paredes da caixa têm 10 centímetros de largura e são feita com blocos de concreto. O fundo e as paredes são revestidas com argamassa à base de cimento. A cobertura da caixa de inspeção é feita com uma placa pré-moldada de concreto de 5 centímetros de espessura.

Limpeza

Deve ser feita uma vez por ano. Negligenciar a manutenção faz a água transbordar, traz mau cheiro, invasão de insetos e roedores, além de gases e incêndios. O aconselhável é contratar uma desentupidora especializada. A empresa faz a limpeza com caminhões de 7 a 12 metros cúbicos dotados com bomba de alta pressão. A bomba dispara um jato forte que sugam os detritos. O material coletado é transportado para locais indicados pelos órgãos ligados ao meio ambiente dos municípios.

Fossa de pedra

Modelo indicado para solos impermeáveis. É uma cova com pedras do tipo seixo rolado. A fossa de pedra não dispensa a fossa séptica, pois, esta faz o primeiro tratamento do esgoto. O problema da fossa de pedra é que os detritos ocupam pouco espaço e se infiltram no solo.

Fossa séptica biodigestora

O sistema é indicado para famílias com cinco pessoas que gastam 50 litros de água/dia. São três caixas d’água com mil litros cada conectadas e enterradas que fazem um isolamento térmico. Modelos com fibra de vidro e cimento são as mais recomendadas. A primeira caixa é atrelada ao sistema de esgoto e recebe mensalmente uma solução com 50% de água e 50% de esterco bovino fresco. A solução pode ser utilizada para irrigar e adubar a terra, ou então, ir para o lençol freático sem riscos de contaminação. Conheça o passo a passo da construção:

  • Antes de escavar, fure as caixas para inserir os canos de PVC. Faça as aberturas com uma serra copo diamantada de 100 milímetros ou use uma broca de vídia, de um quarto de polegada, faça pequenos orifícios. Utilize talhadeira e lixa grossa para finalizar as aberturas. Vede os tubos e conexões na junção da caixa com cola de silicone;
  • Abra três buracos com 80 centímetros para as caixas.
  • Um tubo de PVC de 100 milímetros fará a conexão da privada a primeira caixa. Faça uma inclinação de 5% entre o vaso e o sistema para ajudar na vazão da água. Utilize caixas que liberem entre sete e dez litros de água por descarga. Instale válvula de retenção antes da entrada da primeira caixa para a mistura de água e esterco bovino.
  • Um cano curva de 90º fará a ligação da segunda com a primeira caixa. Cubra as tampas com borracha de vedação de 15 por 15 milímetros. Instale um cano em cada tampa para eliminar o acúmulo de gás metano;
  • A terceira caixa não é vedada, pois, a retirada do adubo líquido será feita por ela;
  • Coloque um T de inspeção entre as caixas.

Viu a importância das fossas? Leia os outros artigos sobre o assunto.

A Curitibao Desentupidora Curitiba atende 24 Horas em todos os Bairros

Copyright © 2015 Desentupidora Curitibão - Todos os Direitos Reservados | Visite também Desentupidora em Curitiba